Livros do I CONPAZ


  1 PAZ & TEORIAS DA JUSTIÇA -   http://hdl.handle.net/11077/1471

2 PAZ & TEORIAS DO ESTADO - http://hdl.handle.net/11077/1470
 
3 PAZ, CONSTITUIÇÃO & POLÍTICAS PÚBLICAS VOL. I - http://hdl.handle.net/11077/1464
 
4 PAZ, CONSTITUIÇÃO & POLÍTICAS PÚBLICAS VOL. II - http://hdl.handle.net/11077/1466
 
5 PAZ, CONSTITUIÇÃO & POLÍTICAS PÚBLICAS VOL. III - http://hdl.handle.net/11077/1469
 
6 PAZ, DIREITO & FRATERNIDADE - http://hdl.handle.net/11077/1462
 
7 PAZ, DIREITO & POLÍTICA - http://hdl.handle.net/11077/1463
 
8 PAZ, EDUCAÇÃO & LIBERDADES RELIGIOSAS - http://hdl.handle.net/11077/1461
 
9 PAZ, ÉTICA EMPRESARIAL & ADMINISTRAÇÃO - http://hdl.handle.net/11077/1467
 
10 PAZ, INICIATIVA PRIVADA & GESTÃO CONTÁBIL - http://hdl.handle.net/11077/1465
 
11 PAZ, INOVAÇÃO & SUSTENTABILIDADE - http://hdl.handle.net/11077/1468

12 COLEÇÃO DIREITO E PAZ: Resumos Expandidos VOL. I - http://hdl.handle.net/11077/1616
 
13 COLEÇÃO DIREITO E PAZ: Resumos Expandidos VOL. II -http://hdl.handle.net/11077/1617
 
14 COLEÇÃO DIREITO E PAZ: Resumos Expandidos VOL. III-http://hdl.handle.net/11077/1618
 
15 COLEÇÃO DIREITO E PAZ: Resumos Expandidos VOL. IV-http://hdl.handle.net/11077/1619


Artículos

LA JUSTICIA RESTAURATIVA Y SU CORRELACIÓN CON EL DERECHO CONSTITUCIONAL Y PROCESAL CONSTITUCIONAL.CONSIDERACIONES CONSTITUCIONALES ACERCA DE “LA OTRA CUARTA OLA” Y DEL CONTINGENTE SURGIMIENTO DE UN ESTADO RESTAURADOR DE DERECHO (DOWNLOAD)

Síntesis Magistral y Equilibrada del Derecho Natural y Positivo (DOWNLOAD)

  La Declaración Universal de Derechos Humanos (DOWNLOAD)




Paz, Prevención y Justicia Restaurativa

El Primer Congreso Latinoamericano de Paz, que se realizará en la ciudad de Marilia del 19 al 22 de mayo de 2016, será  una gran oportunidad, para  prevenir la comisión de delitos y promover la justicia juvenil restaurativa.
 Se conoce que los Poderes Judiciales, tienen la misión de brindar solución a los conflictos sociales, mediante sentencias justas y legales, que prevenga y eviten la comisión de faltas y delitos.
 Sin embargo, la administración de justicia en América Latina (A. L.), brinda respuesta a la violencia juvenil, con base a modelos retributivos tradicionales de sanción y castigo; sin solucionar el problema de fondo, agravando los conflictos y sobre penalizando a los infractores: con procesos largos, ineficientes y poco transparentes; que en algunos casos generan resentimiento y mayor violencia. El infractor no se rehabilita, sino que por el contrario, se vuelve un agente con mayor tendencia al delito.    
 En  lo referente a  faltas o infracciones leves, existe indiferencia y desatención del Estado y la sociedad, pues se consideran un mal menor frente a otras conductas peligrosas; cuando en realidad, son la base, el origen de delitos de mayor gravedad.
   Así, los mayores esfuerzos legales, judiciales y políticos, están encaminados en A. L. a frenar aquellos problemas considerados de “mayor gravedad” como los delitos de sicariato,  criminalidad organizada, extorsión, lavado de activos, robo, asesinato, tráfico de drogas; e incluso terrorismo, entre otros. 
 La lucha contra la delincuencia y el crimen organizado es urgente y necesaria; sin embargo si no se combate a tiempo las faltas, infracciones y violencia juvenil y familiar, el objetivo será incompleto y parcializado.
  La sociedad y el Estado, no solo debe  centralizar sus esfuerzos en combatir los delitos más graves y crueles; sino también las conductas ilícitas consideradas simples o irrelevantes, pues es justamente aquí donde se originan aquellos delitos de mayor trascendencia.
  Hechos calificados a priori de “irrelevantes” son el inicio de delitos de mayor gravedad. Un asesino es probable,  que haya empezado golpeando levemente a alguien; un sicario o extorsionador, tal vez ha iniciado su vida delictiva, cometiendo pequeñas infracciones como el robo de carteras, celulares o bienes de escaso valor.
  Es decir, los crímenes violentos y graves, tuvieron base en faltas, infracciones o delitos menores; que en su momento no fueron solucionados y extirpados debidamente por el Estado dada su pretendida irrelevancia para el sistema judicial. 
 En el Perú, en la década de los 80, el gobierno calificó de simple abigeato el inicio del terrorismo. Si en ese momento, hubiese sido combatido y sancionado; el fenómeno como una hiedra cruel y venenosa no hubiese crecido, hasta generar la escalofriante cifra de más de 70,000 muertos, según informe de la Comisión de la Verdad y Reconciliación (CVR).
 La lección para toda A. L. es que es necesario combatir el crimen, desde su fase germinal, cuando aún es falta o infracción leve; incluso, mucho antes. Pues en este espacio es posible lograr una prevención eficaz.
 Necesitamos con urgencia, cambiar el modelo retributivo y sancionador; por un modelo de justicia preventiva y restaurativa.
 Para ello se requiere incorporar nuevos principios y criterios en la solución de conflictos en el espacio judicial, que fortalezcan la prevención, y donde se solucione el problema desde la raíz; es decir a nivel de faltas e infracciones.
 En el Perú los Jueces de Paz Letrados, son los encargados de resolver los conflictos originados en infracciones menores. Es precisamente en este espacio, donde se ha venido desarrollando el Programa de Prevención “Justicia, Paz y Seguridad”, que se ha convertido en un modelo para toda América Latina, para lograr la paz y la justicia efectivas.
 Una paz firme, perdurable en el tiempo; con base en el respeto a los deberes y derechos humanos; y con el objetivo del bien común, es lo que se busca con esta iniciativa.        
 El referido programa tiene base en los principios de Justicia Restaurativa, que procura la solución real del conflicto y la búsqueda de la prevención efectiva, partiendo del reconocimiento de responsabilidad del infractor, la búsqueda de medios de reparación de las víctimas, más allá de la simple sanción; la restauración y el involucramiento de la comunidad, porque la paz y la seguridad son tareas de todos.
 El programa se desarrolla a través de diversas sesiones, con el apoyo de profesionales con técnicas y experiencia en el manejo de conflictos, como jueces, fiscales, abogados, policías, psicólogos. Permite que el infractor sea concientizado sobre el daño que ha cometido para que interiorice su gravedad y él mismo razone y encause mejor su comportamiento.
 La víctima es escuchada y comparte su frustración y sufrimiento, y en muchos casos recibe las disculpas del infractor. De esta manera, la solución es duradera y difundida por los infractores y víctimas en el espacio familiar y social.
 El programa es eficaz para lograr restaurar la paz, la indemnización y reconciliación en temas como violencia familiar, hurto, daños, lesiones y accidentes de tránsito, entre otras infracciones.          
 De esta manera, incorporando un modelo de justicia restaurativa en los procesos judiciales de faltas, se refuerza el funcionamiento del sistema judicial, haciéndolo más efectivo y sobre todo eficaz en la prevención de los delitos, con el fin de combatir la violencia y  el crimen organizado.

Reyler Rodríguez Chávez
Juez de Paz Letrado del Poder Judicial de Perú





AMENAZAS Y POLÍTICAS DE SEGURIDAD EN

 GUATEMALA

1.1. El Caso Guatemala  (pág. 121 del libro “Concepto y las relaciones multilaterales de seguridad y defensa en el contexto de Unasur” [1])  escrito por  don Gabriel Aguilera Peralta, Ministro de Asuntos Exteriores de Guatemala y activo integrante de IRIPAZ. El artículo  analiza  la situación de inseguridad ciudadana  de su país.
  El  autor narra la situación de dependencia y extrema pobreza en la historia de Guatemala, los sucesivos golpes de estado; la violencia constante en la lucha por el poder. Indica que en la  década del 70 se inició una tendencia entre oficiales medios egresados del  CAEM de Perú,  en la época de la revolución militar del General Velasco Alvarado, sensible a los cambios sociales y al nacionalismo progresista; lo que  influyó en su país.
Indica que 2 son las manifestaciones de inseguridad en su país: El pandillerismo juvenil, las llamadas “Maras” y el  narcotráfico  con  actividades colaterales o vinculadas como el tráfico de personas y de armas.
A raíz de ello  Guatemala se ha tornado en uno de los países con más altas tasas de criminalidad a nivel mundial (exceptuando países en guerra) con una tasa de 48 homicidios por 100,000 habitantes para el año 2008.
Debido a esa realidad, Guatemala y otros estados de centro América, están recurriendo crecientemente a emplear las fuerzas armadas en funciones de combate al crimen; en  contraposición al principio de separación de los ejércitos de la seguridad interna y su limitación a la defensa nacional.
En Guatemala, como en otros  Estados  por la gran capacidad organizativa, financiera y armada del crimen organizado, que inclusive llega a ocupar espacios territoriales, recurren a todos los recursos  que disponen para recuperar  la seguridad y por ello llaman a los ejércitos ya sea para cooperar con las policías o para asumir directamente la llamada “guerra contra las drogas”.
1.2.  “Política de drogas en Guatemala: Nuevos discursos para las mismas prácticas” de Javier Monterroso, en el Anuario de 2014, Seguridad Regional en América Latina y el Caribe; pág. 201. [2]
El artículo se refiere al aparente discurso innovador el general retirado Otto Pérez Molina, elegido presidente de Guatemala para el periodo 2012-2015. En febrero de 2012, a pocos meses de haber iniciado su gobierno, Pérez Molina lanza la idea de legalizar las drogas como una alternativa al  problema; tanto conservadores como progresistas fueron tomados por sorpresa.
No obstante las declaraciones a favor de la legalización de las drogas  reiteradas nacional e internacionalmente en un  foro regional y otro de la OEA los años e 2012  y 2013,  Pérez Molina no  elaboró una propuesta concreta para legalizar las drogas nacional o regionalmente; en realidad se indica que sus declaraciones se trataban de una cortina de humo, para ocultar casos de corrupción.
  De otro lado las estadísticas proporcionadas por las agencias del sistema de combate a las drogas muestran que durante el gobierno de Pérez Molina aumentaron la criminalización y persecución del delito de posesión de droga para el consumo; lo que se indica fue  una clara contradicción con su propuesta de legalización.
1.3. “Guatemala. Anticipación a la Violencia, más allá de la previsión en escenarios de crimen organizado y narcotráfico” de Marco Castillo; en la publicación  ¿A dónde vamos? dirigida por  Carlos Basombrío.[3]
Se indica que el panorama en Guatemala es bastante difícil, con amenazas de volver a un proceso de  militarización como en los años ochenta; lo que concuerda con el artículo de  Gabriel Aguilera Peralta.
El autor propone un modelo de anticipación a la violencia, más allá de la prevención. Indica que el  modelo de la prevención ha sido superado ante la complejidad del contexto en el que estamos interactuando y de la multi dimensionalidad de la violencia.
La anticipación o prospectiva de la violencia, ha sido diseñada como una estrategia de acción metodológica prospectiva. Pretende reducir el riesgo de violencia combinando técnicas de análisis e inteligencia social: colectiva-comunitaria, es decir, no centralizada o regulada por un órgano jurisdiccional, para establecer medidas sobre la base de la alteridad de actuación.
Considera que es necesario que los procesos de anticipación desarrollen, valoren y gestionen estrategias y escenarios que visualicen y analicen la “amenaza violenta manifiesta en el delito”, particularmente en los que los jóvenes podrían estar participando. Indica que los  jóvenes, por su facilidad para ser vulnerados por el delito, van construyendo un comportamiento autodestructivo o hetero destructivo. Este factor o elemento puede derivar en daño individual y colectivo, como es el caso de las maras o pandillas y demanda de la comunidad una responsabilidad social para evitar que el daño se desarrolle.
2.- Comentario.-  Al  crimen organizado, el narcotráfico y la violencia de los maras,  al no prevalecer el imperio de la ley,  les conviene la existencia de un Estado débil para actuar con impunidad y realizar  actividades ilegales sin restricción alguna.  Dichas manifestaciones no tienen como principal objetivo la toma del poder político, sino una vida rebelde, medrar con el crimen, y alcanzar en forma mal habida la sobrevivencia, o  la riqueza.
  Aguilera y  Monterroso  en gran parte  coinciden en el diagnóstico de la situación de inseguridad de Guatemala;   en las contradicciones ideológicas, en la debilidad institucional  y la  extrema pobreza; sin embargo  Marco Castillo, va más  allá y propone  un nuevo modelo de anticipación contra  la violencia.
Esta propuesta es  importante. Castillo considera que lo que  se debe hacer para revertir o aminorar el flagelo,  es realizar un trabajo anticipatorio integral.  Para enfrentar la  inseguridad, no  solo se requiere la participación de las fuerzas del orden sino de todo el Estado, las organizaciones económicas, sociales y políticas; de  todos y cada uno de los ciudadanos.
La situación de inseguridad y crimen en los países de América Latina  no puede revertirse  con medidas represivas, o preventivas aisladas;  sino conforme indica Marco Castillo, con medidas anticipatorias, que brinden  respuesta efectiva y contundente a la dimensión multicausal de la violencia.
Se requiere la participación de toda la sociedad y el Estado, para promover la paz;  fomentando valores, educación, emprendimiento laboral, investigación, ciencia y tecnología. Asimismo la  cooperación internacional; que  los países centroamericanos fortalezcan su  integración, económica y comercial,  logrando el desarrollo con las ventajas competitivas y comparativas que poseen, caso del comercio marítimo mundial que  pide otros canales interoceánicos.
Considero que el análisis con sesgo ideológico,  limita el análisis integral  y objetivo del problema de la violencia; que no solo se puede atribuir como responsabilidad al Estado o al sector pudiente de la sociedad; sino a los padres y madres de  familias; a todas las personas. Conforme enseña UNESCO, es en el corazón humano, dónde se gesta la violencia; y es en el corazón humano, dónde puede gestarse la paz.
Javier Monterroso, no  analiza en forma suficiente el tema de la corrupción en el  caso del ex presidente de Guatemala Otto Pérez Molina que tuvo que  renunciar a la presidencia por la presión política de la población a finales del año 2015 (http://gestion.pe/politica/otto-perez-molina-general-caido-guatemala-2141804)
En las lecturas sobre el caso Guatemala, Marco Castillo profundiza en el  carácter multi causal que explica la situación de violencia y la  necesidad de poner en práctica un concepto de seguridad cooperativa entre todos los Estados de Centro América y Latinoamérica.
Guatemala ubicada en Centro América, es parte de uno  de los procesos de integración regional más antiguos del mundo. Ha logrado superar  procesos de guerras internas, y  vencerá al crimen organizado y  la anarquía de la delincuencia común de los maras y otras pandillas; con estrategias públicas, con democracia participativa, desarrollo, mentalidad positiva y  bien común.
Una alternativa sería  utilizar  estrategias de inteligencia, desarrollo y defensa nacional, en coordinación con todos los países de la región. 
Sería necesario que los gobiernos, las fuerzas armadas y fuerzas policiales, con la participación de la civilidad, se fijen objetivos y metas,  (que involucran múltiples aspectos, no solo represivos)  para lograr disminuir el crimen organizado y la delincuencia común; se requiere que funcionen bien los organismos constitucionales  y supranacionales, y que se liberen los motores de progreso, paz y libertad para la región. 
Rutas orientadoras,  conforme indican los estudiosos del tema, para la solución del problema, son las siguientes: Reforma del estado; educación en valores ciencia y tecnología; emprendimiento laboral, justicia efectiva y restaurativa; integración y democracia  participativa y equitativa.
En relación a la justicia restaurativa,  existen ejemplos claros en Brasil, en Argentina y en Perú, de cómo se ha logrado rescatar a jóvenes de la delincuencia y del crimen organizado.
El Estado y la sociedad deben anticiparse en  décadas a la violencia y al crimen organizado.  Ello se puede lograr,  protegiendo,  educando,  y brindando oportunidades legales a la niñez y juventud.
El Estado y la sociedad pueden colaborar bastante; pero los principales responsables, son los padres de familia.  Es en la familia, donde se va labrando el presente y el futuro de la niñez; es en la familia, dónde se puede vacunar a los niños, para que en el futuro no sigan  los pasos de la drogadicción, la violencia, el crimen organizado y cualquier otra amenaza que atente contra su dignidad, paz, libertad, y  seguridad.
Y qué hacer en el caso de  niños de familias inexistentes o destruidas. Aquí el Estado tiene que dar una respuesta efectiva: Impulsar la reconstitución de nuevas familias; facilitar los casos de adopción; fortalecer los albergues; proteger en forma efectiva a la niñez abandonada.
Finalmente considero que no se puede reducir el análisis de la  inseguridad y la violencia, a un asunto de ideologías políticas o de análisis de la  pobreza. La violencia y el crimen, existe en mayor o menor medidas en  todas las clases sociales, denominadas pobres,  o ricas.
Es evidente, que la violencia se hace más notoria, en algunos barrios y sectores pobres, como en la provincia de Callao en Perú, que las estadísticas informan que existen más de 40,000 jóvenes desocupados, que no estudian, ni trabajan. Ese es un verdadero caldo de cultivo para el crimen y la violencia; hecho que ocurre en diversos países de América Latina.   Consiguientemente, la alternativa, no es solo decretar el estado de emergencia y la salida del ejército a las calles, como algunas autoridades y ciudadanos exigen. La alternativa es censar a esos jóvenes, ubicarlos y brindarles la oportunidad de estudiar y trabajar. No dejar que el crimen los reclute; sino que el Estado y la sociedad, los gane para el bien común.
[1] ALDA MEJIAS, Sonia y GOMEZ, Verónica, El concepto y las relaciones multilaterales de Seguridad y Defensa en el contexto de la UNASUR, Madrid: IUGM, 2012 http://iugm.es/uploads/tx_iugm/UNASUR.pdf.
[2] Anuario 2014 Seguridad Regional en América Latina y el Caribe http://library.fes.de/pdf-files/bueros/la-seguridad/07600/2014.pdf
[3] BASOMBRIO, Carlos, A donde vamos? Análisis de políticas públicas de seguridad ciudadana en América Latinahttp://www.wilsoncenter.org/sites/default/files/Basombrio_A_Donde_Vamos_2013.pdf

Edgardo Torres Lopez
--Juiz da Corte Superior de Justiça de Lima Norte/Peru.--
--Professor da Universidade Católica Sede Sapientae.--

 Integrante no Comitê Organizador do Congresso da Paz.
 http://pitagoras2.univem.edu.br/gwsites/default2.asp?codigo=96&item=834



PAZ EM DUPLA PERSPECTIVA: A PAZ ÉTICA E

 A PAZ POLÍTICA


Entre os dias 19 a 22 de maio de 2016, Marília estará centrada na Paz. De fato, o UNIVEM será palco do tão esperado Congresso latino-americano da Paz: Teorias do Estado e da Justiça e Políticas Públicas. Autoridades e pesquisadores do direito, da filosofia, da sociologia e de outras ciências estarão reunidos para debater e refletir a respeito de algo que nos é tão caro e importante como, ao mesmo tempo, raro e difícil na atualidade. Falta-nos paz na sociedade global em que vivemos, dentro e fora do ser humano. 

A sociedade do consumo impõe-nos tantas necessidades, supérfluas e incessantes, que não temos paz. Na clássica obra Cartas a Lucílio dizia Sêneca, advogado e senador romano, que a vida do sábio é aquela para a qual “...basta aquilo que a terra nos apresenta à superfície...” (XIV, 90, 15). “O sábio não precisa de instrumentos sofisticados! Pois mesmo no nosso tempo ele se contenta com o estilo de vida mais simples!” (XIV, 90, 13). Assim como Diógenes, discípulo de Antístenes, que jogou fora o copo que carregava depois de ver um menino bebendo água com as mãos em concha, sábio - afirmava Sêneca - é aquele que se nega a carregar física e espiritualmente coisas inúteis (XIV, 90, 14). Contudo, não é assim o mundo hodierno. O dia-a-dia é agitado. Pais e filhos não se entendem. O objeto do desejo não é mais o ideal de vida boa dos antigos, mas o consumo desenfreado que não tem fim, tampouco pode ser saciado. Não se compra para viver, mas se vive para comprar. Já advertia a doutrina estóica de Sêneca no tempo dos romanos: “A civilização do luxo é um desvio em relação à natureza: dia-a-dia cria novas necessidades, que aumentam de época para época; o engenho está a serviço dos vícios!” (Cartas a Lucílio, XIV, 90, 19) Na sociedade pós-moderna é assim: o consumo compulsivo, necessidades geradas pela massificação da cultura e angústia generalizada.

Todavia não é só dentro do ser humano que vive a ansiedade do mundo atual. Fora dele a comunidade política internacional encontra-se em perene conflito. Pouco se precisa consignar sobre isso. Basta ler manchetes de jornais. Conflitos internacionais gravíssimos na Síria, refletindo em acontecimentos não menos graves pela Europa, especialmente pela delicada questão dos refugiados. Na América Latina outros conflitos; no Brasil a situação caótica política, social e ética. No diagnóstico da pós-modernidade talvez o mais assustador seja a constatação de que não muito distante desse quadro caótico de hoje há um passado recente no qual houve cooperação internacional para cometimento de atrocidades contra grupos humanos e, em nome da ciência, consumado foi todo o tipo de violações e crimes contra a humanidade. Hannah Arendt, filósofa dedicada ao estudo da política e de como o totalitarismo aniquilou em todos os sentidos a personalidade humana, escreveu na decantada obra A promessa da política que o mais aterrorizante no totalitarismo é a noção de que a liberdade humana pode ser sacrificada em prol do desenvolvimento histórico. Primo Levi, italiano judeu, nascido em 1919, narrou suas experiências em Auschwitz no belíssimo livro É isto um homem?. Segundo ele, o estado de aniquilação do ser humano era patente. Este impressionante trecho demonstra que a morte da personalidade humana antecedia à própria morte biológica: "Nada mais é nosso: tiraram-nos as roupas, os sapatos, até os cabelos; se falarmos, não nos escutarão - e, se nos escutarem, não nos compreenderão. Roubarão também o nosso nome, e, se quisermos mantê-lo, deveremos encontrar dentro de nós a força para tanto, para que, além do nome, sobre alguma coisa de nós, do que éramos." E o que mais assusta hoje em dia é a afirmação certeira de Hannah Arendt segundo a qual é muito mais difícil um ato inaudito vir à tona do que se repetir um ato que já aconteceu. Permaneçamos, pois, vigilantes!


Antônio César Bochenek
--Juiz Federal, Presidente da AJUFE, doutor em Direito--
--Organizador do Congresso da Paz--

http://pitagoras2.univem.edu.br/gwsites/default2.asp?codigo=96&item=834





A PAZ FRENTE À SOBERANIA DOS ESTADOS

 NUM MUNDO GLOBALIZADO

  
  As sociedades, das mais antigas à contemporânea, estão em contínua transformação. Os registros históricos demonstram que o mundo sempre foi assolado por guerras, disputas, conflitos, citando-se como exemplos as duas Grandes Guerras mundiais no século XX, e, não menos importantes, os massacres perpetrados aos nativos na ocasião do descobrimento das Américas.
  Atualmente se vive num mundo globalizado, em meio a contextos de violência que envolvem as relações cotidianas. Os conflitos podem ser regionais ou globais, e são muito diferenciados: têm caráter econômico; ocorrem pela disputa por recursos naturais; apresentam-se sob a roupagem de guerras étnicas, entre outros. Nesse cenário, os poderes constituídos dos Estados, e atores supranacionais, têm dificuldades de gerir tais conflitos, e tudo isso repercute fortemente nos países da América Latina, até mesmo pela suas condições de países ainda “em desenvolvimento”.
   A soberania, na acepção atual do termo, nasceu com a formação dos Estados-nações, e o seu conceito foi sistematizado por Jean Bodin no século XVI. Esse conceito sempre suscitou importantes controvérsias em variadas épocas, mas terminou por representar, sobretudo, a igualdade jurídica entre os Estados, e a sua consolidação lançou as bases para o estabelecimento de normas internacionais, onde os Estados são responsáveis por suas próprias escolhas no âmbito interno e externo.
   Pode-se afirmar que - mesmo num cenário globalizado, com elementos transnacionais, e inegável interdependência entre os atores internacionais - a soberania prevalece e justifica as decisões tomadas pelos corpos políticos dos Estados. Estes, a despeito das várias mudanças sofridas desde a sua criação, continuam a exercer papel primordial nas relações internacionais, e seguem sendo os responsáveis pelos principais contornos atinentes à ordem internacional.
   Hoje é lugar-comum a afirmação de que a única forma de se prosperar economicamente é aderindo aos ditames da globalização, esta vista sob o seu viés mais insensato. O resultado disso, muitas vezes, é a perda da essência da soberania nacional, no sentido de se admitir interferências externas no gerenciamento dos recursos estatais, tudo devidamente justificado pelas já internalizadas noções de interdependência entre as nações, e de globalização econômica infalível e única. Desse modo, imerge-se num sistema essencialmente assimétrico, que produz benefícios para poucos, e ilude a muitos. Mas embarca-se nesse enredo, talvez por se alimentar a idéia da falta de condições de se construir outro enredo, ao menos em curto prazo.
   Por outro lado, a cooperação que poderia ser uma saída para o estabelecimento da paz, é freqüentemente frustrada pelo fato de que a atuação dos Estados soberanos encontra-se marcada pelo interesse nacional exclusivo, a despeito da indivisibilidade da qualidade de vida dos indivíduos e dos povos. Constata-se que a soberania, neste caso, ainda é o grande princípio do Direito Internacional levantado pelos países, e é ela que fundamenta ou está por trás dos motivos pelos quais aqueles entes muitas vezes não aderem, ou não tornam eficazes, as normas de cooperação internacional. Nesses temos, o trabalho de Kant, em À Paz Perpétua, contém a idéia de que o Estado é a unidade política por excelência, definido mediante um poder soberano fundado num contrato originário que o institui como poder supremo coercitivo, e que não reconhece acima dele nada senão a própria vontade da qual ele é a expressão.
   Atualmente, ao menos no plano teórico, os Estados buscam o desenvolvimento nos seus mais variados sentidos. Nesse contexto, Amartya Sen destaca que o desenvolvimento pode ser visto como um processo de expansão das liberdades reais que as pessoas desfrutam. Para o autor, o desenvolvimento requer que se removam as principais fontes de privação de liberdade: pobreza, tirania, carência de oportunidades econômicas, negligência dos serviços públicos e intolerância ou interferência excessiva dos Estados repressivos. Assim, a liberdade não poderia se reduzir a uma visão do desenvolvimento que se traduzisse em alguma “fórmula” simples de acumulação de capital, abertura de mercados e planejamento econômico eficiente.
  O século XX, mesmo em meio às duas Grandes Guerras, dentre várias outras, foi chamado por Norberto Bobbio de Era dos Direitos. O século XXI tem acompanhado o surgimento de um novo constitucionalismo, que prima pela efetividade e garantia dos direitos fundamentais e dos direitos humanos. Nesse diapasão, as relações internacionais visam à solução de problemas de caráter nacional e global.
   O conceito de governança global desenvolveu-se nos últimos anos como um conceito que engloba a emergência de novos atores e de novos mecanismos políticos em nível global, bem como a maior aceitação da limitação da soberania dos Estados em tempos de interdependência entre os mesmos. Aqui, importa citar Peter Häberle que fala de um modelo de Estado Constitucional Cooperativo. Este se desenvolveria, simultaneamente, nas relações internacionais e supranacionais, num cenário marcado pela cooperação, responsabilidade e solidariedade internacional, visando uma política de paz. Segundo o autor, a teoria do Estado Constitucional Cooperativo volta-se à defesa da tolerância, da aceitação do outro, e à proteção dos direitos fundamentais diante da complexa realidade contemporânea.
  De outro vértice, Christian Caubet destaca a “obsessão pelo lucro” como o parâmetro mais relevante das relações internacionais, seja em época de paz, seja em tempos de guerra. Daí a necessidade de que as forças e setores sociais se mobilizem em torno de um mundo mais solidário e cooperativo em prol de um bem comum; de maior qualidade de vida e justiça social para os povos. Daí também a importância da realização de eventos regionais e mundiais sobre o tema da “paz”, objetivando-se esse fortalecimento sócio-político e articulação acadêmica, como o que ocorrerá em Marília/Brasil, no Congresso Latino-Americano da Paz. Trata-se de uma iniciativa louvável e pertinente, em face da urgência da promoção de um diálogo interdisciplinar para construção da paz, da preservação da democracia e, sobretudo, do desenvolvimento humano.
   Por derradeiro, o Estado contemporâneo não pode e não deve mais manter uma cultura que ignora a raiz dos problemas, e que quase não abre espaço à percepção das inúmeras dimensões das crises e dos conflitos, afastando-se de um equilíbrio social que seja efetivamente marcado pela paz, justiça social e respeito à dignidade humana.

Patrícia Bianchi
--Professora do Mestrado em Direito do Centro Universitário Salesiano de São Paulo - UNISAL-
--Doutora em Direito pela Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC--
--Pós-doutoranda em Direito na Universidade de São Paulo - USP--

patricianbianchi@gmail.com



A CRISE DA PAZ NA SOCIEDADE

 CONTEMPORÂNEA

 
Inicialmente é necessário elogiar e incentivar a realização do Congresso Latino-Americano da Paz, que acontecerá em Marília, São Paulo, de 19 a 22 de maio de 2016, no Centro Universitário "Eurípides Soares da Rocha" (UNIVEM). Trata-se de um ótimo momento para se debater as causas e as possibilidades de saída para a atual crise do paradigma da paz.
          Em linhas gerais, o atual paradigma da paz foi gestado pelo Iluminismo, no século XVIII, especialmente pelas ideias do filósofo alemão Immanuel Kant. Em Kant a paz é o conjunto formado pelo uso e predomínio da razão, pela constituição da esfera individual – a construção do indivíduo moderno –, pelo estabelecimento do espaço público para o debate e resolução dos conflitos sociais, pelo governo civil, sem a participação da religião nas decisões políticas, pelo controle e uma política de pacificação das fronteiras e pelo estabelecimento do monopólio do uso da violência pelo Estado, esse monopólio deve ser assegurado pelas forças policiais e militares.             Ficaram de fora do projeto de paz proposto por Kant a religião e a vida mística, a arte, a vida subjetiva e os grupos que não se enquadram na categoria de racional, como, por exemplo, os loucos, pessoas excêntricas, boêmios, alcoólatras, místicos, artistas e muitos outros. 
          Desde o século XVIII essa proposta, por diversos caminhos, vem sendo implementada. A criação de espaços de debates políticos e diplomáticos é um exemplo da tentativa de colocar em prática o projeto de paz da modernidade. Entre esses espaços citam-se: a Liga das Nações, a ONU, organizações de países africanos e asiáticos.
         O problema é que esse projeto de paz tem sucessivamente fracassado. Hannah Arendt, por meio do conceito de banalidade do mal, demonstrou que o uso excessivo da ração, sem a dimensão da ética, foi uma das causas do horror das duas grandes guerras mundiais e do holocausto. Já autores, como, Michel Foucault e Félix Guattari, demonstraram que a exclusão dos grupos não racionais do paradigma da paz (loucos, místicos, etc.) é uma das causas das sucessivas crises sociais vividas pelo mundo moderno.
          O fato concreto é que atualmente o paradigma moderno da paz está em crise. A razão não é mais vista como um guia certo e confiável para o ser humano, existe uma negação do espaço publico em detrimento de um maior isolamento do sujeito dentro da vida individual, os grupos religiosos cada vez mais reivindicam espaço na vida política, algo negado pela proposta formulada por Kant, existe um renascimento das nacionalidades, da luta étnica, da luta pela busca pela constituição de novas países, o conceito de cidadania cada vez mais perde seu sentido e existe uma crescente perde de respeito pela noção de pessoa, de respeito pela vida humana. Tudo isso tem como consequência o aumento, em nível nacional e internacional, dos índices de violência.
   O aumento da violência é a primeira coisa que o cidadão comum, mergulhado no cotidiano, sente. Para ele a paz está em crise porque a violência aumenta a cada dia. No entanto, numa perspectiva filosófica, a problemática é invertida, ou seja, o crescente aumento da violência é a consequência do lendo e gradual fracasso do paradigma da paz da modernidade.
Por isso, é necessário se repensar a paz. Como no século XXI, dentro da modernidade tardia, será possível se refundar uma proposta, um paradigma, que possa dar condições mínimas para as nações, os grupos sociais e os indivíduos viverem em um estado de paz? Essa é uma pergunta central para a sociedade contemporânea. 

Ivanaldo Santos
--Professor do Departamento de Filosofia da UERN--
Palestrista no Congresso da Paz

ivanaldosantos@yahoo.com.br

http://pitagoras2.univem.edu.br/gwsites/default2.asp?codigo=96&item=834



Diversos conceitos de paz e uma atualização

     Parabenizo a iniciativa de realização do Congresso Latino-Americano da Paz em Marília que acontecerá nos dias 19 a 22 de maio de 2016, no Cento Universitário “Eurípides Soares da Rocha)” por tratar-se de tema relevante no momento nacional e internacional que vivemos.
    Deve-se em primeiro lugar responder a questão o que é a Paz ?Pode-se enumerar, apenas didaticamente, três conceitos separados historicamente: a Pax Romana, que vai do fim das guerras civis anunciado pelo imperador Augusto (27 a.C.) e que durou até a morte do imperador Marco Aurélio, em 180 d.C., que na verdade é a ausência de guerra; a paz como tolerância cujo modelo é o Tratado da Vestfália (1648) e a paz “duradoura” modelo atual.
    O período chamado de guerra dos 30 anos(1618-1648), cujo pano de fundo era o conflito religioso nascido da reforma, no qual o Sacro Império Católico-romano da família austríaca dos Habsburgos se contrapôs a União Evangélica, surgida das reformas religiosas de Martinho Lutero e João Calvino, que queriam a maior vivência bíblica, o Sacro-Império se fragmentou em três religiões: a católica, a luterana e a calvinista, ao final das guerras foi feito um tratado de paz na província de Vestfália, cujo tratado recebeu este nome em 1648, embrião do conceito atual.
       Podemos chamar este tipo de paz do respeito e da Tolerância, sobre a qual escreverão John Locke (1632-1704) na Carta sobre a Tolerância (coleção Pensadores) e Voltaire, no seu Tratado sobre a tolerância (1763), ainda faltavam princípios republicanos de “democracia” e “pessoa”.
     O modelo de paz que temos hoje nasceu com Kant, sobre o qual escreveu o Prof. Ivanaldo Santos, como “pelo uso e predomínio da razão, pela constituição da esfera individual – a construção do indivíduo moderno –, pelo estabelecimento do espaço público para o debate e resolução dos conflitos sociais”, o qual chamo de paz “duradora”.
       As nossas principais críticas a este modelo é primeiro a histórica, porque trata de um modelo fundado no momento de criação de um conjunto de nações, com culturas e interesses diversos, e a segunda crítica o conceito modelo de “indivíduo”, que não é a pessoa concreta.
     Entendo idem como o Mesmo do indivíduo singular, e o ipse como identidade da pessoa.
        A nossa proposta de uma ontoética consiste em pensar uma pátria mundializada, com interpretações variadas e difusas sobre a pessoa humana, seus direitos e deveres perante a presença do Outro, a partir de uma ética que propõe autores como Emmanuel Levinas, para quem o indivíduo abstrato tende para uma coisa inteiramente diversa para o absolutamente outro" (Lévinas, 1989, p. 21), e Paul Ricouer que ao escrever “O si-mesmo como Outro” afirma que “não podemos pensar até o fim o idem  da pessoa sem o ipse, mesmo quando um recobre o Outro”, indicando de onde deve partir a ontoética (RICOEUR, 1991, p. 147). 

Marcos L. Mucheroni
--Professor da ECA-USP, no Departamento de Informação e Cultura--

http://pitagoras2.univem.edu.br/gwsites/default.asp?site=paz



MARÍLIA, BELA FONTE E GUIA DA PAZ MUNDIAL

Em 1923, Antonio Pereira da Silva e seu filho José Pereira de Silva no Brasil foram os pioneiros em um maravilhoso lugar, no Distrito de Cafelândia; terra firme, com grandes bosques, próxima dos rios Feio e Peixe, foi nomeada poeticamente por "Alto Cafezal" para sua cultura de café.
Bento Abreu Sampaio Vidal, em 1926, adquiriu uma grande área desta bela e fecunda terra que, ao longo do tempo, deu origem a um legado de migração de famílias com valores de empreendedorismo, união, esperança, simplicidade e progresso.
As estradas da via férrea, de responsabilidade da então Companhia Paulista de Estradas de Ferro, eram designadas em ordem alfabética; no Distrito de Cafelândia, próxima extensão a ser nominada haveria de ter nome com a letra M. Marathona Mogúncio e Macau foram alguns sugeridos. Todavia, o empresário eminente Bento de Abreu, não satisfeito com qualquer uma dessas propostas e em uma longa viagem para a Europa por barco, lendo apaixonadamente o livro de Thomas Antonio Gonzaga, Marília de Dirceu, foi inspirado pelo belo trabalho e decidiu nominar "MARÍLIA", que para os cristãos evoca o santíssimo nome da Virgem Maria.
De outro lado, Dirceu etimologicamente significa fonte de água e Marília belo guia. Ou seja, a cidade-campo é um belo guia para uma fonte de água viva.
A cidade foi reconhecida pela Lei do Estado n. 2161, de 22 de dezembro de 1926, com o nome de Marília, todavia como um distrito de Cafelândia. Em 1928, foi elevada à categoria de município Lei do Estado n. 2320, de 24 de dezembro de 1928. Sua instalação oficial teve lugar em 4 de abril de 1929, dia em que se celebra o aniversário da cidade.
Cerca de 90 anos após esses eventos, de 19 a 22 maio de 2016 o UNIVEM e a Universidade Estadual do Norte do Paraná com o apoio da Universidade Católica Sede Sapientae do Peru, além de outras instituições, levam a efeito a organização em Marília do Primeiro Congresso Latino-americano de Paz.
O Congresso tem como objetivo contribuir para a paz mundial, com a difusão, inspiração e implementação da "Carta de Marília", que será fonte e guia para orientar à paz os Estados, as Nações dos cinco continentes e todas as pessoas.
           É justo e necessário agradecer a todos os organizadores na pessoa dos magníficos reitores da UNIVEM Dr. Luiz Carlos de Macedo Soares e da UENP Dra. Fátima Aparecida da Cruz Padoan. Também ao Exmo. Juiz Federal Rogério Cangussu, além da maravilhosa equipe universitária de autoridades, professores e alunos que os apoiaram, com as bênçãos e orações apostólicas de muitas pessoas de paz e bem, representadas pelo Exmo. Monsenhor Lino Paniza, Chanceler da Universidade Católica Sede Sapientae. Muito obrigado!

Edgardo Torres Lopez
--Juiz da Corte Superior de Justiça de Lima Norte/Peru.--
--Professor da Universidade Católica Sede Sapientae.--

 Integrante no Comitê Organizador do Congresso da Paz.
 http://pitagoras2.univem.edu.br/gwsites/default2.asp?codigo=96&item=834


EDUCAR E DISCUTIR A PAZ: O DESAFIO DESTES TEMPOS
A PROPÓSITO DO CONGRESSO DA PAZ DE MARÍLIA

O Congresso da Paz, que será realizado de 19 a 22 de maio, no UNIVEM, será uma grande oportunidade de incentivar a discussão sobre a necessidade de se ter a tão sonhada paz na humanidade. Do sonho é que nasce a realidade, como, por exemplo, a caminhada pela Paz que será feita na Avenida Esmeralda e que se dará no dia 22/5 – domingo – 9h. (http://pitagoras2.univem.edu.br/gwsites/default.asp?site=paz).
             O ser humano, desde a sua criação, é testemunha e protagonista de lutas para ganhar e conservar o poder, seja por território, por recursos, por posição social ou por outros interesses. É vítima e perpetrador de atos violentos que vulneram seus direitos e enfraquecem a sua condição humana.
        Nestes tempos de promoção e defesa dos direitos humanos, por meio de tratados, organismos internacionais e ONGs, é mister repensar o conceito de "PAZ" e como ele se incorpora na sociedade, uma vez que a violência manifesta-se de diferentes maneiras, majorada pelos meios digitais mal utilizados e por lutas para o controle dos instrumentos de poder e riqueza. Lamentavelmente, há submundos mais ilegais do que legais; e a melhor maneira de garantir um estado de convivência entre os seres humanos é a prevenção, bem como a promoção de valores na sociedade.
            Somos todos valiosos, cada um de nós pode contribuir com um grão de areia em favor do bem comum, trabalhando em todos os setores, sem discriminação, a entender que formamos, juntamente com demais membros de diferentes grupos, a aldeia global, atualmente denominada comunidade internacional, mais especificamente a sociedade do conhecimento.
     Creio, pois, que este Congresso Latino-Americano da Paz, que ocorrerá em Marília, São Paulo, de 19 a 22 de maio de 2016, promoverá estes valores importantes e históricos da sociedade, adaptando-os para o tempo presente. Também outorgará às futuras gerações ferramentas para compreender e valorar que a liberdade, a tolerância, a justiça e o trato pacífico entre todos os indivíduos permitem a real convivência social e o desenvolvimento da vida com garantia dos direitos civis.
      Felicito a todos os organizadores, expositores e ao distinto grupo da E-Justicia Latinoamérica que me concede a cortesia para participar, promovendo este evento em prol do futuro comum de todos aqueles que ainda acreditam na paz, na esperança e conservam a fé em um mundo onde "todos os homens se irmanam" como dizem os versos da Nona Sinfonia de Ludwig van Beethoven.

Romina Florencia Cabrera
--Professora na Universidade de Buenos Aires-UBA (Argentina), Universidade de Salvador-USA (Argentina), e da Universidade de Salamanca -USAL (Espanha). Advogada.--

romicabrera83@gmail.com

http://www.diplointernetgovernance.org/profile/RominaFlorenciaCabrera

 


JUSTIÇA E PAZ CAMINHAM JUNTAS
A paz, assim como a justiça, tem em vista o bem de cada pessoa e de todos

            Congresso da Paz. Será feita uma reflexão sobre a paz e que a sociedade muito necessita. A realização do Congresso Latino-Americano da Paz, transformando Marília na Capital Latino-Americana da Paz, será de 19 a 22 de maio de 2016, no UNIVEM. No dia 22/5 – domingo – 9h, haverá uma caminhada pela Paz na Avenida Esmeralda.
            O conceito de igualdade está ligado ao conceito de justiça. Este, por sua vez, caminha junto com o conceito de paz, todos fundamentais para que pudesse propiciar a formação do Estado Democrático de Direito, estrutural organizacional que atualmente vivemos. São elementos essenciais para se dar o devido respeito à dignidade da pessoa humana.
            A paz, assim como a justiça, tem em vista o bem de cada pessoa e de todos, numa exigência de ordem e verdade. Estando a paz sob a mira da ameaça, atinge simultaneamente a justiça.
            Ao falar sobre a paz, a mais profunda aspiração da humanidade, o Papa São João XXIII, afirmou:“A paz na terra, anseio profundo de todos os homens de todos os tempos, não se pode estabelecer nem consolidar senão no pleno respeito da ordem instituída por Deus.” (Encíclica Pacem in Terris- A paz dos Povos, item 1).
            O fato de se centrar esforços, quase que únicos, na razão para uma busca da verdade levou a uma desestruturação do sistema com consequente abalo na cultura como um todo, ou melhor, afetando frontalmente o relacionamento entre as pessoas e os povos, atingindo, radicalmente, a própria paz.
            No final do século passado, a Encíclica Aeterni Patris já reclamava fortemente a ausência da filosofia nos campos das ciências em geral. É neste sentido que o Papa Leão XIII, de feliz memória, escreveu:“3. ... e é assim que a falsidade das opiniões, que tem sua sede na inteligência, influi nas ações humanas e as vicia. Ao contrário, se a inteligência for sadia e estiver apoiada em princípios verdadeiros e sólidos, será, para a sociedade como para os particulares, fonte de grandes vantagens, de inúmeros benefícios.” (Encíclica Aeterni Patris - sobre a Filosofia Cristã, item 3).
O saudoso professor André Franco Montoro, analisando o fato da sobreposição da razão, afirma:“O iluminismo é a expectativa de triunfo da razão. Vive do anseio messiânico de advento do reino da ciência. Os escritores da enciclopédia são todos otimistas sobre o futuro das ciências. Acreditam firmemente no progresso e no saneamento da sociedade graças à difusão das luzes da razão. A ciência e a técnica resolveriam todos os problemas da humanidade.” (Livro Ética na Virada do Milênio - busca do sentido da Vida, pg. 25). Vemos tratar-se de um pensamento conectado à realidade do século XXI, sublinhando a importância de um severo estabelecimento da ética como pressuposto para a paz.
            É difícil acreditar que possa somente a ciência e a técnica apresentarem solução plausível a todos os problemas humanos, com a superação da ética, da filosofia e da religião, todos fundados no pensamento humanista. Neste sentido ainda é que Einstein faz uma advertência:“A ciência pode apenas determinar o que é, não o que deve ser.”
            Enfim, em brilhante pronunciamento no dia em que se comemora a paz mundial, o Papa São João Paulo II asseverou:“A paz para todos nasce da justiça de cada um. Ninguém pode se eximir de uma obrigação tão importante e decisiva para a humanidade. Ela chama em causa todo o homem e mulher, segundo as respectivas competências e responsabilidades.” É neste sentido que podemos afirmar com segurança que a paz caminha junto com a justiça.

                                                                                                  
                                                                                                Lafayette Pozzoli
-- Professor e Coordenador do Mestrado do UNIVEM --
-- Organizador do Congresso da Paz -- 
lafayette@univem.edu.br 
http://www.giromarilia.com.br/colunas/congresso-da-paz/justica-e-paz-caminham-juntas/5587
http://univem.edu.br/noticias/index.php?id=3932


Banner 27-07-2017

© 2008-2016 - Todos os direitos reservados Hospedagem: UNIVEM Host - INTRANET